Notícias

  • Diminuir fonte
  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Enviar para amigo
  • Adicionar RSS

14/07/2017  | Oncologia

Pesquisadores brasileiros criam banco de tumores de testículo

O grupo de pesquisa em tumores geniturinários, LACOG-GU, está à frente da criação de um banco brasileiro de tumores germinativos de testículo, aberto a qualquer pesquisador, médico e instituição interessados.

O banco vai reunir informações sobre os tumores com dados dos pacientes. No momento ainda não está prevista a inclusão de amostras biológicas (sangue e tecido tumoral).

“No nosso conhecimento, este é o primeiro banco de dados de tumor de testículo envolvendo inclusão de pacientes tratados em múltiplos centros brasileiros”, diz o líder do projeto, o oncologista Diogo Assed Bastos. “O uso dos dados de diagnóstico e desfechos de tratamento de doenças neoplásicas são fundamentais para o conhecimento da doença, incluindo informações quanto ao prognóstico, chances de sucesso do tratamento, riscos, entre outros. Grande parte do conhecimento atual de vários tipos de câncer foi obtido através de análises de banco de dados de grandes instituições de tratamento do câncer.”

Os dados coletados ficarão disponíveis para os pesquisadores interessados mediante o envio de propostas de análises e aprovação pela comissão científica da iniciativa.

O banco vai ajudar a entender também se os resultados nacionais são comparáveis aos resultados de tratamento em outros países e se nossa população tem pefil semelhante ao de outros países.

Os interessados em contribuir com o banco podem entrar em contato com através do e-mail lacog@lacog.org.br e pelo telefone (51) 3384 5334.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks

Pesquise no site

Agenda de Eventos

outubro
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031EC

Enquete

Qual sua opinião sobre a compra pelo Ministério da Saúde da asparaginase chinesa?


Loading ... Loading ...

Seções

Edição atual

CAPINHA_ED.36

Onco& Ano VII – Ed. 36

Capa:
ASCO, da atenção básica à alta tecnologia
Entrevista:
Daniel Hayes, presidente da ASCO, defende estratégias para reduzir as disparidades no manejo do câncer pelo mundo e considera inaceitáveis as diferenças no tratamento em cada região
Gestão:
Tecnologias digitais ajudam a reduzir custo e melhoram qualidade do atendimento
Discussão de Caso:
Tratamento multidisciplinar de um adenocarcinoma no endométrio

Preencha os campos abaixo para enviar esta página

:
:
:
: